É mais um dia quente no sul da Califórnia, fazendo outubro parecer que está no meio do verão. Dirigindo por um labirinto de ruelas da bela Encino, estou no caminho para me encontrar com uma verdadeira estrela de Hollywood. Ian Somerhalder, 41 anos, é um modelo, ator, diretor, produtor, ativista e empresário.

A maioria iria reconhecer o bonito rosto de Somerhalder de shows de sucesso “Lost” e “The Vampire Diaries”.

Sendo tão generoso de espirito, minha conversa com Ian, na verdade, durou mais de uma hora no set. De fato, ao longo de todo o dia, a equipe da Nobleman foi surpreendida pela positividade, liderança e boa energia de Ian. As vezes, quando uma sessão de fotos dura muito tempo, o artista pode ficar um pouco mal-humorado. Esse dia provou o oposto, com Ian entusiasmando todo mundo, mantendo os espiritos elevados. Nenhum ego foi detectado, apenas um grande sorriso. Um homem com um plano, que quer mudar o mundo, uma dose de bourbon de cada vez.

De fato, quando pesquisei sobre Ian Somerhalder antes da entrevista,
sua falta de ego e personalidade genuína surge uma vez ou outra.  Como produtor executivo de ‘Kiss the Ground’, Ian convocou Woody Harrelson para narrar o documentário, sabendo que a fama de Woody’s  iria ajudar a espalhar a mensagem, apesar de que alguns jornalistas erroneamente chamaram de ‘Filme de Harrelson’. Somerhalder não se importou, desde que as pessoas assistissem. “Eu cresci pobre na baía de Louisiana,” Ian começa nossa conversa. “Isso força a pessoa a manter-se real.”

Em uma idade precoce, modelando e atuando, você alcançou uma fama meteórica…

Você quer dizer fama medíocre. (Riso)

Bem, dezenas de milhões de seguidores de mídia social parecem altamente investidos no que ian somerhalder está fazendo atualmente.

Escute, este é um grupo incrivel de pessoas que vivem, respiram. Para a quantidade de 46 milhões de individuos globalmente, em todo mundo. O que é incrivel é que com uma quantidade robusta de seguidores… não seguindo (balança a cabeça indicando que não gosta dessa palavra). Vamos apenas chamar isso de ‘pessoas com as quais eu posso me comunicar.’ Essas pessoas fazem coisas incriveis, dando tempo, energia e recursos. Esse grupo de pessoas originalmente estão atraídas pelo personagem que um ator está interpretando, então podem conhecer e talvez gostar do ator, e eventualmente se envolver com iniciativas filantrópicas do ator também.

Tal como?

Protegendo animais domésticos, e animais selvagens. Habitat, oceanos, educação. Essas coisas podem marcar certas caixas que tocam as pessoas de alguma forma inspiradora ou aspiracional. Mas o que eu aprendi é, em dez anos comandando essa incrível organização, é que o smartphone mudou isso tudo. Isso mudou a sociedade. Como uma criança, quando eu era um modelo ou jovem ator andando pela cidade Nova Iorque, se eu visse Brad Pitt (que eu vi), você diria ‘Ei, desculpa incomodar você, eu amo seu trabalho… você pode assinar meu ticket do trem?’ E então eles normalmente assinavam alguma coisa. Agora isso mudou, e nós assistimos isso mudar. Eu experienciei isso em toda minha vida. Agora você precisa da foto, para ganhar validação. Para disparar o gatilho da dopamina, para se sentir melhor. Este é um grande negócio. Portanto, a própria ideia de envolvimento dos fãs mudou.

Qual foi a sua maior felicidade no ano passado?

Minha criança. Minha esposa, minha família… e meu trabalho. Eu pensei realmente que iriamos para a 2ª temporada de V Wars, porque a série foi um hit. E nesse mundo da Covid, com todas as politicas na esfera do entretenimento, dentro dos estúdios – isso não daria certo. E eu não falei isso publicamente, mas eu estava furioso. Porque eu investi muito naquele primeiro ano, 12 meses em pós produção, um ano da minha vida. Acordando as 5 da manhã, indo dormir por volta da meia noite. Nós nos dedicamos muito, e criamos algo que foi um sucesso. Não foi fracasso meu como um ator, ou produtor ou diretor. Em retrospectiva, o único presente que a Netflix poderia me dar, foi decidir não renovar V Wars para uma 2ª temporada. Porque eu estaria montando uma sala de redação, notícias de última hora, encontrando incentivos fiscais, encontrando locais, todas as coisas que um promotor faz. E, em vez disso, toda aquela energia, foco e impulso foram para minha esposa e filha. E em minhas empresas. Nunca pensei que dirigiria duas empresas, ao mesmo tempo que lançaria um filme. E ouço amigos dizendo: ‘Ah, esse Covid. Eu não trabalhei. Não consigo encontrar trabalho. ‘ Ou, ‘Estou tão entediado.’ Nunca estive tão ocupado. Não importa o que a vida jogue em você, é seu trabalho e seu dever encontrar o que é positivo. E esta situação, é difícil porque tem tanta gente sofrendo.

(Ian serve dois copos de Brother’s Bond Bourbon)

Brinde, tem algo realmente especial sobre sentir aqui com você, nesse lugar, com essa equipe incrível, e bebendo um gole desse produto que eu tenho trabalhado tanto nele. A coisa mais louca é, todas essas noites em que eu fiquei acordado até tarde e trabalhando tão duro; misturar este bourbon por dezesseis meses consecutivos permite muitas perspectivas. A palavra ‘whisky’ significa a água da vida. E há uma perspectiva realmente bonita que se obtém, apenas tomando alguns goles do puro e incrível espírito. A reflexão, a perspectiva.

Conte-nos o primeiro gostinho dessa “água da vida”.

Bourbon é feito pra ser consumido do jeito que você quiser. Quando você tem um espirito que é puro e equilibrado, curtir ele é muito prazeroso. Eu amo Bourbon com pedras de gelo. Eu amo Bourbon com soda. Amo Bourbon com gengibre. Em algum momento nós iremos desenvolver uma cola incrível, e você então poderá misturar Bourbon e raspadinhas de cola. Nós passamos 6 meses misturando e aperfeiçoando isso. Todo dia e toda noite. Eu fiz um laboratório na minha cozinha. Minha esposa descia às 2h ou 3h da manhã, e dizia, ‘Querido, eu amo você, mas você tem que ir dormir.’

Qual outro aviso você recebeu?

Eu trabalho com muitas pessoas incríveis no mundo: líderes empresariais, políticos. Alguns dos meus maiores heróis são operários. Minha família. Pessoas que trabalham duro oferecem muitas perspectivas incríveis. Um cara, eu me lembro, é um cara de 1,80 metro que se parecia com Paul Bunyan – a barba grande, camisa xadrez e botas de trabalho, o negócio todo. Ele se inclina e diz: ‘A vida chuta você nos dentes. Seu bourbon não deveria.’ E é verdade. A ideia era criar algo com propósito, algo de pureza e algo que tem o que você chama de proporção sensorial igual. Significado: você prova todos os grãos. Há milho, cevada maltada, trigo e centeio. Centeio vai ser a especiaria. A cevada maltada é o sabor de noz. A doçura vem do milho. Mas você não quer que seja opressor.

(Nós brindamos). Você atingiu aquele ponto ideal. Incrivelmente suave.

Em cerca de 10 minutos você vai sentir um pequeno brilho quente, um sabor doce e as especiarias sutis, principalmente caramelo. A propósito, essas são as nuances da vida que a torna especial. É importante pausar e refletir. Não quero soar como um porco do capitalismo, mas quero que as pessoas gostem disso. Você olha para a curva em forma de sino e, quanto mais longe você vai na curva, mais nicho você se torna. Queremos criar algo e fazê-lo em escala. É 22% de centeio, mas é nivelado pela doçura do milho; junto com uma mistura patenteada dos outros dois. E assim você consegue algo que é incrivelmente suave, acessível direto da garrafa. Não vai te dar um tapa na cara. Vai te dar um abraço.

Como o Corona vírus mudou as coisas?

Para todos nessa sala, nos últimos 8-0 meses, tem sido… vamos apenas dar a isso uma palavra bonita, ‘transformação’. Com reflexão, vemos as armadilhas e a verdadeira loucura da humanidade. Veja como vivíamos todos. Todo mundo buscando a perfeição. Uma pequena queda jogou tudo isso fora. Essa pausa nos deu a incrível oportunidade de ter uma perspectiva. Provavelmente nunca houve mais divórcios, e mais casamentos e mais filhos. O Ano Novo é normalmente o maior dia do ano para os grandes eventos da vida, então basicamente sobrevivemos a 8 meses de Véspera de Ano Novo.

Mais ou menos como uma reinicialização de todo o sistema.

As pessoas falam sobre voltar para o normal. Bom, não tem como voltar. Porque o que nós estávamos fazendo, definitivamente, não era normal. Olhe para o que nós estávamos fazendo para o planeta. E quem vai definir essa palavra, ‘normal’?

Quem é seu herói?

Um irmão meu, Professor Dr. Sinan Aral. Ele é o cara do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, e nós temos 11 anos de amizade. Ele escreveu um livro chamado: The Hype Machine que fala sobre como as redes sociais estão afetando nossas cabeças. Mudando nossas vidas, até mesmo mudando a forma que nós criamos e comunicamos. Aplicativos de encontro tem mudado como nossos relacionamentos funcionam. Coisas como informação- isso não é apenas um estado de espírito. São alterações neurológicas e fisiológicas no cérebro, certo? Portanto, estamos mudando rapidamente agora.

Você pode falar sobre seu trabalho de caridade?

O mundo sem fins lucrativos está repleto de golpistas e é muito litigioso. É tão proibitivo. As leis são projetadas para proteger o dinheiro público. O público dando seu dinheiro a alguém que não conhecem muito bem. Portanto, percebi muito cedo que a maneira de afetar uma mudança real é fazê-la por meio dos negócios. Porque os governos não serão capazes de fazer isso. Eles não têm energia, não têm dinheiro. E todas as organizações sem fins lucrativos funcionam como ilhas entre si. É por isso que eu comecei a Fundação Ian Somerhalder, para ser um porta-voz para pessoas e criaturas que não tinham voz. Mas, isso vai soar controverso, as pessoas não querem mais dar algo por nada. Eles querem a validação: uma foto, alguma interação, como falamos antes. Porque é isso que a tecnologia moderna criou em nossos cérebros.

A corrida até a base sistema cerebral. O golpe de dopamina. A validação.

E isso não é culpa dele. Não é culpa de ninguém. As grandes empresas de tecnologia sabiam o que estavam fazendo. São pessoas altamente inteligentes, que criaram tecnologias que mudaram o mundo.

Tecnologia é apenas uma ferramenta. Como uma faca – isso pode ser para o bem ou para o mal.

Eu não estou dizendo isso em um tom negativo. Eu reconheço que o futuro dos negócios e o poder deles para fazer uma mudança real no mundo vai depender das empresas que se orgulham da tríplice: lucro, pessoas e planeta. Fim de história. Agora, com o Covid, em tempos difíceis para a econômica, as Gerações Y e Z não aceitarão de outra forma. Eles gastam seu dinheiro com empresas que fazem coisas boas. Como empresas que são bons administradores do meio ambiente, bem-estar animal ou educação. Então minha empresa de bourbon e minha empresa nutracêutica, é isso que estamos fazendo – devolvendo dinheiro. Ambos, porque são produtos agrícolas – e esta é a sequência para Kiss the Ground, como me tornei Produtor Executivo deste filme – e porque é inovador, vai mudar a forma como a agricultura é feita no mundo. Não vamos apenas desacelerar a mudança climática, vamos impedi-la em seu caminho. E vamos fazer isso, por meio da agricultura em grande escala.

Tradução: @stopdxworld

últimas fotos enviadas
Layout criado e desenvolvido por Flavi.A - Todos os direitos reservados - Host: Flaunt